quarta-feira, 2 de março de 2011

Fundo DI X CDB X Poupança - março de 2011

Atualizado em 26/06/11
Aviso: a análise foi atualizada em 26/06/11, no artigo Fundo DI x CDB x Poupança x Tesouro Direto. Abaixo, apresentamos o texto original de março de 2011.
 -  -  -  -  -  -  -  -  -  -  -  -  -  -  -  -  -  -  -  -  -  -  -  -  -  -  -  -  -  -  -  -  -  -
 A inflação persistente, que já ameaça superar o teto da meta para 2011 (hoje em 6,5% ao ano) e o super aquecimento da economia brasileira induziram o COPOM a elevar novamente a taxa Selic em reunião realizada hoje. Junto com a alteração da Taxa Selic, entre outros, alteram-se a remuneração de alguns investimentos populares, tais como o CDB, o Fundo DI.

Portanto, vamos atualizar nosso comparativo, baseado na nova taxa Selic, que a partir de hoje está fixada em 11,75% ao ano. Além da alteração da Taxa Selic, outra novidade do nosso comparativo é o aumento do rendimento da poupança para algo em torno de 0,65% ao mês, devido à elevação da Taxa Referencial.

Apenas para relembrar, a poupança gera um rendimento fixo de 0,5% ao mês, acrescido da variação mensal da Taxa Referencial. Portanto, poderia ser comparado com modalidades de investimento que também geram rendimentos constantes (ou quase constantes). Entre os investimentos com tais características, utilizamos em nossa análise os Fundos DI e o CDB.

Sem delongas, vamos às hipóteses de nossa comparação:
  • variação do DI: 11,75% ao ano (a.a.) (0,93% a.m.); e
  • variação da poupança: 8,08% a.a. (0,65% a.m.).
Abaixo, apresentamos três tabelas, com o resultado de nossa simulação. Na primeira temos a rentabilidade dos fundos DI de curto prazo. A segunda tabela apresenta a rentabilidade simulada dos fundos DI de longo prazo, cuja única diferença para os fundos DI de curto prazo são as alíquotas de IR. Por fim, apresentaremos
a rentabilidade simulada de um CDB pósfixado (cuja rentabilidade é atrelada à variação do DI):


Logo, utilizando-se os resultados acima, mesmo com uma remuneração inferior à remuneração dos fundos DI, dependendo do prazo, a poupança pode ter rentabilidade superior à rentabilidade dos fundos DI cujas taxas de administração superiores a 2,00% a.a.

Quando comparada com os CDBs, a poupança gera ganhos maiores quando o deságio é superior a 20% (ou a rentabilidade do CDB é igual ou inferior a 80% da variação do DI). Entretanto, lembre-se que o CDB representa uma dívida do banco com o investidor e, portanto, está sujeito ao risco de crédito da instituição financeira que o emite para valores de investimento superiores a R$ 70 mil (valores inferiores a R$ 70 mil são protegidos pelo Fundo Garantidor de Créditos - FGC)

Esta é a fotografia da situação atual, com a Selic variando 11,75% ao ano. Lembremo-nos que os rendimentos gerados pela poupança atualmente tem um piso (0,5% a. m.) e os rendimentos dos fundos DI e do CDB são atrelados à variação do DI que, grosso modo, seguem a variação da Selic. Logo, quanto maior for a variação da Selic, maior será a rentabilidade do fundo DI e do CDB. Ou seja, novas elevações da Selic irão melhorar o rendimento do CDB e do Fundo DI, sem entretanto alterar a remuneração da poupança.

Por outro lado, a elevação da TR nos últimos meses, por conta da elevação da inflação, elevou o rendimento da poupança para algo em torno de 0,65% ao mês! Isso explica a felicidade do porquinho da poupança que ilustra esse artigo. Entretanto, os prognósticos de mercado apontam que a alta da Selic de hoje não foi a última deste ciclo. Logo, a velha e boa poupança deve amargar a lanterninha do campeonato dos investimentos de renda fixa neste início de 2011. A conferir.

Artigo escrito por Flávio Girão Guimarães.