domingo, 27 de janeiro de 2013

Tesouro Direto: títulos longos vs. títulos curtos

Uma dúvida muito comum a quem investe no Tesouro Direto é a diferença de rentabilidade entre títulos idênticos, mas com prazos distintos. Abaixo reproduzimos um questionamento postado na área de comentários do artigo Rentabilidade Passada do Tesouro Direto, que ilustra bem tal dúvida:

"Tenho uma dúvida: percebi que as NTN-B que vencem nos próximos dois anos (2013 e 2015) tem tido rentabilidade mensal menor do que as que vencem em 2020 e 2024, por exemplo. Por que isto acontece? Vale a pena resgatar esses papéis agora e reinvesti-los no próprio Tesouro mas com vencimentos mais longos?"

Apesar da dúvida acima girar em torno das Notas do Tesouro Nacional Série B (NTN-B), a resposta abaixo pode ser adaptada para todo título público (prefixado ou indexado), quando comparamos títulos com características idênticas mas vencimentos distintos.

Como se sabe, para cada NTN-B adquirida recebe-se: cupom de juros semestralmente (2,93% sobre o valor nominal atualizado) e o valor nominal atualizado da NTN-B no seu vencimento (atualização esta feita através da variação do IPC-A, calculado pelo IBGE). 

O preço de uma NTN-B hoje, portanto, reflete o somatório de juros (cupom) e o valor de face da NTN-B, tudo isso descontado às taxas de juros praticadas no mercado. Ou seja, paga-se hoje uma projeção do valor que receberemos no futuro e, tal projeção, varia especialmente de acordo com as taxas de juros praticadas no mercado. 

Em outras palavras, quando os juros de mercado caem, tal como ocorreu ao longo de 2012, o preço das NTN-B sobem. Mas, quando os juros de mercado sobem, as NTN-B perdem valor. 

Além disso, temos que considerar que as NTN-B mais longas tem uma série de pagamentos (cupom de juros) mais longa e um pagamento de principal mais distante da data presente. Ou seja, o efeito do desconto da série de cupom e principal é maior do que o efeito do desconto de títulos mais curtos. 

Resumindo: 

1) quando os juros de mercado sobem, o preço das NTN-B caem. Quando os juros caem, o preço das NTN-B sobem; 

2) NTN-B mais longas são mais "sensiveis" às variações de juros de mercado. Portanto, quando as taxas caem, o preço das NTN-B mais longas sobem mais que o preço das NTN-B mais curtas. Porém, quando as taxas sobem, as NTN-B mais longas perdem mais valor que as NTN-B curtas. 

Vale então a pena adquirir somente títulos mais longos, já que a rentabilidade costuma ser maior? Depende.

Caso você tenha algum compromisso financeiro no curto prazo, tenha uma carteira com títulos curtos, pois, caso haja uma reversão dos juros de mercado e eles voltem à subir, ou então passem a variar, seus títulos perderão menos valor.

Mas, caso você não tenha compromissos no curto prazo e gostaria de arriscar um pouco mais, em busca de um prêmio (rentabilidade) maior, adquira alguns títulos mais longos. Mas tenha consciência que o risco da sua carteira (medido pela variação dos preços de seus títulos) irá aumentar.

Artigo escrito por Flávio Girão Guimarães.