quinta-feira, 4 de agosto de 2011

Fundo de ações Petrobrás

Caros leitores,

Apresentamos a seguir a dúvida de um leitor que, acreditamos, deve ser a dúvida de muita gente nesses dias. Em seguida, fazemos os nossos comentários:

Há alguns anos apliquei R$ 9 mil, em um fundo de ações Petrobras. Por inexperiência, acabei não resgatando o valor quando a rentabilidade estava positiva. Hoje, o saldo do referido fundo é de aproximadamente R$ 7 mil. Ou seja, já perdi aproximadamente R$ 2 mil.

Minha dúvida e: devo manter esse investimento e aguardar uma valorização, tendo em vista a questão do pré-sal, mesmo sabendo da taxa de administração de 2%. Ou devo resgatar o valor integralmente e buscar um novo investimento. Neste caso qual seria a melhor forma de investir o valor resgatado.

Obs: não vou fazer uso do dinheiro em curto prazo, posso aplicá-lo por pelo menos cinco anos ou mais.

Atenciosamente,

EMS
Cuiabá/MT

Prezado EMS,

No curto prazo, o cenário para a bolsa de valores não está nada bem, basta acompanhar as análises semanais que publicamos todas as segundas-feiras para ver que o mercado de ações vai continuar sofrendo. Mas, como você mencionou que não vai fazer uso do dinheiro no curto prazo e, dado que você já sofreu com toda a desvalorização das ações da Petrobrás até o momento, não recomendamos que você saia da renda variável.

No artigo Por que diversificar. Ou: devo colocar todos os ovos na mesma cesta? explicamos porque, em nossa visão, devemos diversificar os investimentos, principalmente quando se trata de renda variável. Ao comprar ações de uma determinada empresa, você estará sujeito a todos os revezes que essa companhia enfrentar (chamado de risco não sistemático, ou diversificável), além do próprio risco do mercado como um todo (risco sistemático), pois, dificilmente uma ação sobe quando o mercado está em forte queda (e vice-versa). Ao comprar uma carteira de ações bem diversificada, você estará sujeito apenas ao risco do mercado (risco sistemático). Ou seja, uma carteira diversificada reduz riscos.

Logo, comprar (ou vender) ações de uma única empresa só é recomendável para quem tem tempo à disposição para analisar (analise fundamentalista ou técnica) e acompanhar de perto o desempenho de tais ações ao longo dos pregões. Se esse não for o seu caso, fuja da compra isolada de ações ou da compra de fundos especializados apenas em uma empresa.

Para os leigos ou para quem não tem tempo, mas quer investir em renda variável, recomendo um fundo de ações (Ibovespa, IBr-X), através de um banco que lhe ofereça a menor taxa de administração possível. Ou então um Exchange Trade Fund (ETF), tais como o PIBB11 e BOVA11, que são fundos que replicam o comportamento de um índice de mercado. As cotas dos ETF são vendidas no próprio mercado de ações.


Existem outras formas de operar no mercado de ações, tais como operar na venda, termo, futuro, derivativos, mas isso é para experts, pois o risco de tais operações é exponencial.

Resumo da ópera: sugerimos que você se desfaça das cotas no fundo Petrobras e adquira uma carteira diversificada de ações, ou então um fundo de ações que replique um índice de mercado, ou até um ETF.

Outra dica: caso você venha a vender as cotas do fundo Petrobras, pare imediatamente de acompanhar a sua evolução. Foque nos seus atuais investimentos e não nos investimentos que você poderia ter, ou que já teve. Acompanhar o rendimento de investimentos passados ou possíveis só faz mal.

Artigo escrito por Flávio Girão Guimarães.