terça-feira, 7 de janeiro de 2014

Um ano de chumbo para o Tesouro Direto

Exatamente há um ano, publicamos o artigo Um ano de ouro para o Tesouro Direto. Naquele artigo, demonstramos que os títulos públicos negociados no Tesouro Direto foram, de longe, os investimentos mais rentáveis daquele ano, superando poupança, ouro, o dólar, a bolsa de valores etc. Porém...

Como todo investimento, os títulos públicos carregam riscos que devem ser sempre considerados. O ano de 2013, como veremos, foi um ano de perdas consideráveis para os investidores do Tesouro Direto, na contramão dos resultados de 2012.

A tabela abaixo é uma velha conhecida dos leitores do Blog ABC do Dinheiro. Mensalmente apresentamos a rentabilidade e risco passada dos títulos negociados no Tesouro Direto. Tal tabela é elaborada através dos dos preços históricos dos títulos públicos (PU) obtidos no site da STN, levando-se em consideração os eventuais juros pagos ao longo do período, conhecidos como cupons.

Experimentamos em 2013 uma alta expressiva dos juros de mercado e, quando os juros sobem, o preço dos títulos prefixados (LTN e NTN-F), bem como o preço dos títulos indexados ao IPCA (NTN-B e NTN-B Principal) tem redução. Resumo da ópera: com exceção da Letra Financeira do Tesouro (LFT), que é o único título público pósfixado à venda no Tesouro Direto, TODOS os títulos perderam valor. Os títulos com vencimento posterior a 2020 tiveram perdas superiores a 10%. Os investidores das NTN-B com vencimento em 2035 amargaram uma perda superior a 30%!

Recomendamos a quem já investe ou pretende investir em títulos públicos que não desanime por conta da rentabilidade apresentada pelos títulos negociados no Tesouro Direto no ano de 2013. Dependendo do seu objetivo de investimento (reserva de emergência, aposentadoria, compra programada etc.), o Tesouro Direto pode oferecer excelentes possibilidades. Volta e meia apresentamos no Blog interessantes estratégias de investimento com utilização de títulos públicos.

Outro fator importante a se considerar é que a tabela acima apresenta a rentabilidade dos títulos obtida através da variação dos preços à mercado. Ou seja, apenas o investidor que vendeu seu título ao longo de 2013 sentiram no bolso o prejuízo. Quem manteve os títulos em carteira e pretende carregar tais títulos até o vencimento não terá perdas financeiras, já que tanto os títulos prefixados (LTN e NTN-F), como os títulos indexados ao IPCA (NTN-B e NTN-B Principal) são vendidos com deságio. Ou seja, sempre valerão mais na data de vencimento do que valiam na data de compra.

Obviamente, nunca é demais lembrar que rentabilidade passada não é garantia de rentabilidade futura e que este este artigo é meramente informativo e não deve ser considerado como recomendação de investimento, nem deve servir como única base para tomada de decisões de investimento.